quarta-feira, 26 de julho de 2017

Entrevista com a Autora Nacional: Dill Ferreira



1- Dill, nos fale um pouco sobre você.

Resp. Bom, Sou uma escritora romântica por natureza.E esse é um dos motivos que escolhi escrever romances. 
Tenho oito obras publicadas, Sendo que sete são romances e um é infantil.
Gosto de ouvir músicas que me inspirem e me trazem boas lembranças. Músicas dos anos 80 e 90 internacionais românticas e MPB brasileira, são um arraso.
Gosto de bate-papo com leitores e sempre que possível procuro curtir a tudo que envolva minha pessoa. Acho muito importante interagir com as pessoas que nos querem bem e nos ajudam também.

2- Em que momento você percebeu que seu destino era ser escritora?

Resp. Quando as ideias começaram a surgir aos montes em minha cabeça e eu já não conseguia mais suportá-las ali, tendo que colocar em um papel.
Eram textos que me faziam acreditar que eu podia ir além E com isso foi fluindo mais e mais e hoje sei que esse é meu verdadeiro caminho, minha paixão.

3- De onde vêm os seus personagens, são inspirados em pessoas reais ou em fatos?

Resp. na verdade na maioria das vezes simplesmente vem. Não preciso necessariamente ter pessoas me influenciando, É claro que há situações que vejo com uma pessoa ou outra e que me ajudam a moldar uma história. Mas nem sempre acontece naquele sentido. Ás vezes vejo algo do tipo laranja e escrevo abacaxi (risos). Muito depende do meu estado de espírito.

4- No início, algum escritor ou livro te influenciou?

Resp. Penso que o fato de ler muito Diana Palmer, Nora Roberts, Paulo Coelho, tenham me influenciado sim. Há sempre um fósforo para nos ajudar a encontrar a nossa própria luz né. Penso que eles me ajudaram.

5- Qual de suas obras, ou personagens é seu favorito? Por quê?

Resp. É complicado dizer isso, porque cada um tem seu papel único e marcante em minha jornada na escrita. No entanto, o fato de ter sido o primeiro e com ele vir todas as novidades literárias da minha vida, penso que Casamento por Aparências seja meu estimado amor. Ele me trouxe grandes alegrias e a história também é muito bela e prazerosa, por isso resolvi tornar ela série e já estamos indo para o terceiro de quatro livros que formam a série. É um amor que trouxe outros, por isso o dedico meu amor maior.

6- O que você mais gosta nas próprias histórias?

Resp. O desfecho das histórias. Como gosto de finais felizes, sempre fico muito feliz e satisfeita com as ideias que surgem para os finais.
Gosto também de apresentar nas obras, algum lugar belo de nossa pátria. Penso que enriquece o texto e valoriza a nossa história, o nosso País. Gosto muito desses informativos a respeito do que temos de bom a oferecer.

7- O que te inspira na hora de começar uma nova história?

Resp. Uma boa música. O coração carregado de bons sentimentos e um copo de vinho. Essas combinações me fazem criar e recriar.

8- Qual é a sensação de ir a uma livraria e encontrar seu livro à venda?

Resp. É maravilhoso, mas também estranho. Porque está além do que a gente imagina. Desejamos muito vê-los sendo expostos e comentados , mas quando acontece parece que sonhamos de tão bom que é.

9- Atualmente, está cada vez mais difícil publicar um livro, principalmente devido a motivos financeiros. Qual foi a sua maior dificuldade na publicação de seu livro?

Resp. A primeira foi no quesito editora. Há tantas por aí oferecendo maravilhas mas que quase nunca acontece como elas desenham, é preciso muito cuidado.
O quesito dinheiro também é complicado. Cobra-se caro por tudo nessa área então é preciso investir para que nossa obra seja vista e lida por alguém. E quase nunca o retorno vem a médio prazo. O que torna o investimento financeiro que precisamos fazer um custo às vezes caro demais. Mas ainda assim é muito válido. É um sonho sem igual poder tocar sua obra.

10- Quanto tempo demora a escrever um livro?

Resp. Depende muito do meu estado de espírito, de tempo livre, já que trabalho em uma empresa privada, para poder manter meus sonhos.
Mas normalmente demoro entre quatro e seis meses para concluir uma obra.

11- Como surge, ou de onde vem a ideia para escrever um livro?

Resp. Penso que seja algo ao estilo dom. Nem sempre estamos pensando em algo, mas simplesmente a ideia vem a cabeça e começa a se produzir sozinha.
Mas acontece também de uma frase, uma música ou um filme inspirar muito, para que surja a ideia do próximo livro.

12- Você se sente realizada como escritora?

Resp. Ainda não, porque ainda não posso viver apenas da literatura. Mas sou amplamente feliz escrevendo e quero muito poder me dedicar apenas a literatura. No mais é tudo muito perfeito e feliz.

13- As pessoas te reconhecem como escritora?

Resp. Boa parte sim. Não sou muito boa divulgadora no face to face, mas conforme a estrada vai se alongando, com os anos surgem mais pessoas que me reconhecem como tal e que leem meus livros. O que fortalece o reconhecimento por mim e de mim mesma, como escritora que sou.

14- Se você pudesse deixar uma mensagem para aqueles que sonham um dia escrever um livro, qual mensagem deixaria?

Resp. Tenham muita paciência e saibam aceitar críticas. Procure conhecer o máximo possível do mercado literário para não se frustrar e ter que abandonar o barco ainda no primeiro livro.
Seja inteligente, persistente e simples.


Dill Ferreira
Instagram: @dillferreira
Twitter: @dillfferreira

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Entrevista com a escritora Nacional: Elaine Samuel


Entrevista com a escritora da Série: As quatro portas do Tesouro - Elaine Samuel


1- Elaine, nos fale um pouco sobre você.
Resposta: Sou uma pessoa normal, daquelas que ninguém nota, até a hora que eu tropeço no meio da rua! Os que já leram minha biografia no meu site (www.asquatroportasdotesouro.com) sabem que não tenho muita facilidade para falar de mim mesma. Sou uma pessoa simples, minha cabeça vive a mil por hora, e estou sempre inventando alguma coisa nova para fazer. Escrever é uma maneira de viver novas aventuras sem ter que sair do lugar, por isso amo o que faço!

2- Em que momento você percebeu que seu destino era ser escritora?
Resposta: Comecei a escrever quando era bem nova, por volta dos 12 anos, mais ou menos, mas passei por muitos períodos em que parei completamente e outros em que escrevia apenas como uma maneira de organizar meus pensamentos. Levei muitos anos para perceber que isso é o que eu realmente gosto de fazer e só nos últimos anos passei a encarar a escrita como profissão.

3- De onde vêm os seus personagens, são inspirados em pessoas reais ou em fatos?
Resposta: Normalmente, meus personagens são uma mistura de várias coisas. Crio um personagem necessário á história e o desenvolvo inspirado em pessoas, situações e muitas vezes apenas em pura imaginação. Não tenho um personagem que seja inspirado puramente em alguém, mas tenho pedaços de várias pessoas que conheci ao longo da minha vida incorporados ao meus personagens. 

4- No início, algum escritor ou livro te influenciou?
Resposta: Acho que os livros e autores que eu lia na minha infância foram os que mais influenciaram no meu estilo de escrita. Eu adorava ler livros de mistério e aventura, mas gostava também quando a coisa toda tinha um pouco de humor. Acho que isso tudo se reflete no que escrevo hoje.

5- Qual de suas obras, ou personagens é seu favorito, por quê?
Resposta: Pergunta bem difícil essa! Normalmente, o que estou escrevendo no momento é o meu favorito, pois é o que estou mais envolvida, mais próxima. Eu adoro todos os meus livros e todos os meus personagens, acho que não conseguiria escolher apenas um! Todo mundo sabe que tenho uma quedinha pelo Júlio, mas amo todos igualmente!

6- O que você mais gosta nas próprias histórias?
Resposta: Eu me divirto muito escrevendo, e as partes que mais gosto são, no caso dos livros da série As quatro portas do Tesouro, as trapalhadas que os meninos fazem. Eu não quero que as histórias sejam sérias e acho que esse toque de humor deixa os livros leves e divertidos e, portanto são as partes que mais gosto.

7- O que te inspira na hora de começar uma nova história? 
Resposta: Tudo! Sempre digo isso, inspiração vem de todos os lugares. Ás vezes, uma situação corriqueira, vista de uma maneira diferente, pode ser inspiração para uma história muito legal. Portanto, o negócio é ficar sempre de olho no que está acontecendo ao redor!

8- Qual é a sensação de ir á uma livraria e encontrar seu livro á venda?
Resposta: Ainda não pude vivenciar isso pessoalmente, pois meus livros já estiveram em livrarias, mas no Brasil, eu só pude ver por foto e fiquei muito feliz! É de uma certa forma, como viver um sonho realizado!

9- Atualmente, está cada vez mais difícil publicar um livro, principalmente devido a motivos financeiros. Qual foi a sua maior dificuldade na publicação de seu livro?
Resposta: Realmente, a vida de escritor não é fácil! Existem milhares de dificuldades e pedras no caminho, e publicar é apenas uma delas. No meu caso, como inicialmente publiquei meu livro no exterior, tive um caminho um pouco diferente dos outros autores nacionais, mas acho que as dificuldades são praticamente as mesmas. Falta de dinheiro, experiência, reconhecimento, etc. Mas acho que o importante é não focar nas dificuldades e, sim seguir em frente, trilhar seu caminho, um dia de cada vez, e ter fé que o seu dia está chegando! Nunca desistir!

10- Quanto tempo demora a escrever um livro?
Resposta: Depende! Não tenho um sistema de produção contínua. Procuro escrever todos os dias, mas ás vezes não dá. Em geral, levo cerca de uns dois ou três meses para escrever o primeiro rascunho de um livro. Depois disso, gosto de deixá-lo de "molho" por alguns meses, para depois voltar á história e fazer uma versão final. Depois disso vem a minha revisão e depois ele passa para as mãos dos meus leitores beta e revisores. Portanto, acho que podemos considerar que pelo menos uns 6 meses para todo esse processo.

11- Como surge, ou de onde vem a ideia para escrever um livro?
Resposta: Elas simplesmente aparecem! É verdade! ás vezes uma situação interessante se apresenta e eu penso: isso daria um bom livro, mas outras vezes a ideia simplesmente aparece do nada! Muitas vezes , quando estou escrevendo uma história, começo a ter um monte de ideias para alguma outra. Anoto tudo e guardo, pois em algum momento isso vai ser usado!          

12- Você se sente realizada como escritora?
Resposta: Outra pergunta bem difícil de responder! Não sei. Acho que ainda me sinto realizada por ter escrito vários livros (nem todos publicados ainda), mas não completamente , pois quem escreve quer ser lido e ainda quero conquistar o coração de muitos leitores!

13- As pessoas te reconhecem como escritora?
Resposta: As pessoas que conhecem meu trabalho me reconhecem como escritora, mas as que sabem que eu escrevo, porém nunca leram nada meu, acho que não. Muita gente me pergunta se sou escritora e eu digo que sim. Depois me perguntam: e trabalha com o que? Fica aí a prova de que não há reconhecimento!

14- Se você pudesse deixar uma mensagem para aqueles que sonham um dia escrever um livro, qual mensagem deixaria?
Resposta: Meu conselho pata todos que gostam de escrever, e querem um dia fazer disso sua profissão é, leiam muito e escrevam todos os dias. Parece um conselho besta, mas muita gente quer ser escritor sem ler e escrever, não dá! Ninguém começa sendo muito bom. É um aprendizado. Requer prática, estudo. É um caminho longo e difícil, mas se for o que você gosta, vale a pena! Portanto, comece cedo e não desista!        


Muito Obrigada pela maravilhosa entrevista Elaine! Gostei muito de conhecer mais sobre o seu trabalho, e seus livros já estão na minha lista de desejados, é o tipo de leitura que gosto bastante! 

http://as4portasdotesouro.wixsite.com/esamuel

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Recebi da autora do livro: Diário de uma escrava - Rô Mierling



                               Muito Obrigada Rô, são lindos!

Recebido do escritor de romances policiais: Paulo Levy


Boa Noite galera!!
Recebi do escritor Paulo Levy, O terceiro livro da sequência do Delegado Dornelas.

                                     
                                        Resenha em breve!

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Recebidos da Autora: Sterlayni Duarte



Livros:
-Brincadeiras na mata tropical + marcador


-O elefante elegante + marcador


-Quem será o Rei?? + marcador


Muito Obrigada Sterlayni, resenhas em breve!

Apresentando a Autora Nacional: Sterlayni Duarte



Escritora, dramaturga, gestora cultural, pedagoga, psicopedagoga e mestra em gestão e avaliação da educação pública. 
Sou apaixonada por histórias e músicas. 
Escrevo contos, peças teatrais, poemas e romances. 
Desde a infância, minha vida sempre foi recheada de arte! 

A literatura, o teatro, a dança, a música e os trabalhos manuais, em especial o tricô e o crochê fazem parte do meu dia a dia.

Possuo três livros de Literatura Infantil publicados: Quem será o Rei? (2009), O Elefante Elegante (2011) e Brincadeiras na Mata Tropical (2016).
Como uma autêntica capricorniana sou extremamente observadora, exigente comigo mesma, persistente e gosto de tudo organizado. 

Acredito que são os detalhes que fazem a diferença em qualquer área. 
Também sou uma pessoa meditativa, tranquila e ao mesmo tempo dinâmica e com a mente a mil. 


https://arianeeleuterio.blogspot.com.br/2016/06/blog-ariane-eleuterio-parceria.html
http://gatinhadoslivros.blogspot.com.br/
http://www.catracaseletiva.com.br/p/sterlaynu-duarte.html
http://segredosliterarios-oficial.blogspot.com.br/p/resenhas_5.html
http://pacoteliterario.blogspot.com.br/2016/10/resenha-especial-dia-das-criancas.html



sexta-feira, 5 de maio de 2017

Resenha do Livro: Lavínia e a árvore dos tempos - Lucinei M. Campos



Título: Lavínia e a árvore dos tempos
Autor: Lucinei M. Campos
Páginas: 236
Publicação Independente

Ano de edição: 2014

Resenha

Lavínia é uma menina de 9 anos, quase 10. Uma criança obediente e muito amada por seus pais. Porém, Lavínia sofre muito na escola onde estuda, seus colegas de classe a perturbam de mais. E isso a faz se isolar sempre, tendo de se esconder na hora da ida pra escola, cortando caminhos que esses coleguinhas não a vejam. Na hora do intervalo então, é uma luta para que ela consiga chegar no seu cantinho secreto sem que ninguém a descubra e nem a encontre. 
Seu único amigo e confidente é Léo, um pouco mais novo que ela, um garotinho que eu achei adorável, e que sempre está com seus bonecos de brinquedos, pra lá e pra cá.
Algumas coisas me deixaram um pouco preocupada, pois, Lavínia é apenas uma garotinha, alguém deveria tomar uma providência a respeito do sofrimento que os colegas causam a ela, foi impossível não me preocupar com isso. Por que ela nunca contou aos pais? Por que a Professora nunca reparou nisso? Uma criança que se atrasa tanto pra aula sem uma razão concreta, não pode ser normal... E os pais dela, por que nunca foram a escola saber se tudo vai bem com a filha? Isso seria omissão, ou falta de zelo por parte deles??
Continuando...
Lavínia já está cansada de se esconder tanto, todos os dias para ela são uma tortura quando sabe que tem de ir para a escola.
Até que certa noite algo muda, ela está dormindo mas de repente escuta um barulho e quando acorda há um homem baixinho, com um chapéu, roupas esquisitas e uma peixeira nas mãos. A princípio não achei que ela se espantou muito, se fosse eu, teria dado um grito estridente. rsrs
Lorivaldo, uma "fada" totalmente diferente das fadas que temos conhecimento, apresentou-se a ela, e dali por diante ele seria o seu protetor.
Conforme os dias vão passando, Lavínia percebe que sua fada é extremamente mais rabugenta que de início, e ela sabe que existe alguma coisa que não contaram para ela, alguma coisa que ela precisa saber e estão escondendo.
Confesso que a leitura desse livro foi maravilhosa, eu me diverti muito, principalmente quando Lorivaldo dá vida aos bonequinhos de Léo, e eles começam a lutar. Morri de rir, tive de me segurar pois eu estava dentro do ônibus, imagina a cena. 

"Num movimento simples com o facão, os bonecos criaram vida sobre a mesa da cozinha, e se colocaram em posição de luta."
"Darth Vader ergueu o pobre Ranger Vermelho no alto, sem ao menos encostá-lo, enquanto o Snoop mordeu o braço de Wolverine".

Após muita insistência de Lavínia, Lorivaldo conta a ela tudo, e o motivo dele aparecer em sua vida. Dali em diante, Lorivaldo, Lavínia e Léo, passam por diversas situações e momentos que eles jamais irão esquecer. E Lavínia sabe: Ela tem uma fada, e não tem medo de usá-la!!

O final da história foi incrível, Lorivaldo demonstrou uma grande lealdade, não só para com Lavínia, mas também para com o seu povo.



LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...