sábado, 12 de outubro de 2013

Poemas de Vinícius de Moraes

      Soneto do amigo
Enfim, depois de tanto erro passado
Tantas retaliações, tanto perigo
Eis que ressurge noutro o velho amigo
Nunca perdido, sempre reencontrado.

É bom sentá-lo novamente ao lado
Com olhos que contêm o olhar antigo
Sempre comigo um pouco atribulado
E como sempre singular comigo.

Um bicho igual a mim, simples e humano
Sabendo se mover e comover
E a disfarçar com o meu próprio engano.

O amigo: um ser que a vida não explica
Que só se vai ao ver outro nascer
E o espelho de minha alma multiplica...
Vinicius de Moraes


      Poética
De manhã escureço
De dia tardo
De tarde anoiteço
De noite ardo.

A oeste a morte
Contra quem vivo
Do sul cativo
O este é meu norte.

Outros que contem
Passo por passo:
Eu morro ontem

Nasço amanhã
Ando onde há espaço:
– Meu tempo é quando.
Vinicius de Moraes

2 comentários:

  1. Perfeitos.
    Também,o que esperar,vindo de Vinicios de Moraes?!!!
    Gosto muito.

    ResponderExcluir

REGRAS
*Aqui é proibido insultar, usar palavras ofensivas e de baixo calão.
*Respeite a direção do Blog, pois fazemos o nosso melhor para organizá-lo.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...